Getúlio Vargas, O lado Oculto do Presidente

João Gomes Mariante

R$55,00 Leia mais

Acabamento: Brochura
Páginas: 184
1ª Edição – 2016
Autor: Mariante, João Gomes
ISBN978-85-60634-06-4
Editora: Sfera Editora de Artes
Idioma: Português Brasileiro
Projeto Gráfico de caixa e capas: Antonio Henriqson
Editoração e diagramação: Antonio Henriqson
Editor: Sergio Rosa de Paiva

Descrição: A Guerra dos Farrapos aconteceu entre 1835 e 1845. Tendo à cabeça o General Bento Gonçalves da Silva, reuniu uma plêiade de heróis humanos como poucos já se viu: Davi Canabarro, General Neto, Giuseppe e Anita Garibaldi, buscando a emancipação do estado contra um Brasil cujo império intervinha de forma a comprometer gravemente a política econômica do Rio Grande do Sul.

Em 1836 implantou-se, na serra do Sudoeste, na cidade de Piratini (1.000 habitantes), a capital da República Rio-grandense. Muitos romances foram escritos sobre esse tema tão épico quanto dramático, porém nenhum com esse tom singular que Barbosa Lessa conseguiu insuflar em páginas únicas. A República das Carretas flagra que a verdadeira capital em certo momento teve de sair de sua seara nada fortalecida e postar-se em carretas, atravessando campos, cidades comandadas pelo ministro da Fazenda e Interior Domingos José de Almeida – um herói cujas armas eram documentos, saber administrar, providenciar recursos para os rebeldes, e sofrer de saudades a distância da família, ou seja, um herói autenticamente moderno.

Sobre o Autor: Bem quando expirava a tarde e nascia a noite de 13 de dezembro, em 1929, chegou Luiz Carlos Barbosa Lessa na Chácara Boa Esperança, imediações da histórica vila Piratini, a primeira capital farroupilha.

Dona Alda, a mãe, ensinou-lhe as primeiras letras e palavras da alfabetização,
as primeiras notas do piano e o gosto pelo matraquear na máquina de escrever, Olivetti, nunca trocada por computador. Desde o início foi tomado de encanto pela literatura e pela música.

Em Pelotas fez o curso ginasial no Colégio Gonzaga. Já ligado ao texto, fundou o
jornalzinho O Gonzagueano. O gosto musical, pela pesquisa e pelo folclore, o fez reunir um grupo de amigos com este fim: Os Minuanos. (Mais tarde fundaria o Conjunto Farroupilha, com apresentações exitosas no Brasil, Estados Unidos e China).

Com 15 anos, mudou-se para Porto Alegre. Enquanto trabalhava como “foca” na Re-
vista do Globo, cursava o 2o Grau (atual Ensino Médio) no Colégio Júlio de Castilhos. Ali conheceu Paixão Côrtes e um grupo de amigos. Criaram o departamento de tradições gaúchas no “Julinho”, inspiração primeira que tornaria realidade algo maior: a criação do primeiro Centro de Tradições Gaúchas, o CTG 35, em 24 de abril de 1947, sendo Lessa seu primeiro Patrono. Era um novo alvorecer para as tradições do Rio Grande do Sul.

Em 1952, na capital gaúcha, formou-se advogado para ser, por 20 anos, em São
Paulo, homem de publicidade, de histórias em quadrinhos, de televisão, de teatro, de cinema. E de literatura. Seu primeiro livro, Os Guaxos, conquistou, em 1959, o Prêmio Nacional de Romance, pela Academia Brasileira de Letras. Para Walter Spalding, “o melhor e o maior romance do Rio Grande do Sul até hoje aparecido.”

Da paulicéia desvairada enfeitiçado pela saudade de sua terra gaúcha volta com a família ao RS, onde se torna Secretário de Cultura, no governo Amaral de Souza. Barbosa Lessa, dentre tantos feitos importantes, marca sua gestão promovendo a
aquisição do desativado Hotel Majestic, para ser a Casa de Cultura Mario Quintana.

Nas últimas ações de sua luta pela cultura, em 2000, conquista merecido destaque
em promoção da RBS, sendo eleito pelo povo rio-grandense como um dos “20 gaúchos que marcaram o séc. XX”- mesmo morando, como dizia, no meio dos bichos e dos índios, na reserva ecológica de Água Grande, no interior de Camaquã.

Elegeu-se Patrono da 46 Feira do Livro de Porto Alegre, em 2001, o que muito o orgulhava.

Em 11 de março de 2002 partiu a camperear com o Negrinho do Pastoreio, na invernada grande do Céu.

Começando a publicar em 1951, Lessa somou mais de meio século de produção
literária. Editou quase 70 títulos, nos mais variados campos e gêneros. E, num grande esforço, as editoras Alcance, Tchê! e Sfera dão prosseguimento a este memorável projeto editorial: Barbosa Lessa Obra completa – Fase Il- Obras consagradas. (A República das Carretas e Rio Grande do Sul, Prazer em conhecê-lo).

patrocinadores